domingo, 26 de julho de 2015

Capital Inicial encerra a última noite do 25º Festival de Inverno de Garanhuns

Uma multidão foi até a Praça Cultural Mestre Dominguinhos, área central de Garanhuns, no encerramento da 25ª edição do Festival de Inverno, que aconteceu entre a noite desse sábado (25) e madrugada deste domingo (26). De acordo com a Polícia Militar, Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros, mais de 65 mil pessoas lotaram o espaço e, por medidas de segurança, os acessos à praça tiveram que ser fechados antes mesmo da última atração subir ao palco.

Foi a cantora garanhuense Andrea Amorim que abriu a noite. Ela já tem aproximadamente 15 anos de carreira e foi primeiro lugar geral em um dos festivais de Música e Arte de Garanhuns. Com fortes influências do pop rock, em sua apresentação, ainda houve a participação do Projeto Batuque de Garanhuns, em uma homenagem ao cantor Chico Science. "Eu queria fazer uma homenagem a Chico Science, e sem a alfaia fica uma coisa meio vazia. E a primeira coisa que me veio à cabeça foi o Projeto Batuque”, disse Andrea, que empolgou o público.

A segunda atração da noite, Bonsucesso Samba Clube, trouxe músicas do seu novo álbum, intitulado "Coração da Boca que Sai". Antes do show, o vocalista Rogerman falou sobre a importância do evento para os artistas. "Hoje nós temos tantas coisas que sustentam a musicalidade pernambucana, como o próprio FIG, que é um objeto de extrema importância para isso", ressaltou.

Já os pernambucanos do Mombojó, banda que faz parte do novo cenário musical do estado, vieram com o repertório do novo álbum "Alexandre", além dos hits de lançamentos anteriores que fizeram a galera pular. 

Por último, foi a vez da banda Capital Inicial. O público eufórico gritou para receber o vocalista Dinho Ouro Preto. O grupo, que foi formado em 1982, em Brasília, tocou os grandes hits de sua carreira como "Primeiros Erros", "Independência" e "Quatro Vezes Você". Dinho demonstrou carisma, interagindo com o público que também deu um show a parte, e com um coral com mais de milhares de mãos levantadas, a banda encerrou com muito brilho mais uma edição do Festival de Inverno de Garanhuns.

sábado, 25 de julho de 2015

Penúltima noite do FIG 2015 foi dedicada ao samba

A penúltima noite de shows do 25° Festival de Inverno de Garanhuns (FIG) foi aberta ao som de muito axé com o grupo artístico e cultural Afoxé Omô Nilê Ogunjá. O grupo, formado em 2004, o qual o nome significa “Filhos da Casa de Ogunjá”, tem como um de seus princípios a realização de uma luta por meio da prática de afoxé, como expressão artística e ação política. A noite foi marcada pelo encontro de grandes artistas do samba.

“Pra mim é um prazer imenso. Estou surpreso com essa abertura de afoxé no dia do samba”, comentou Adiel Luna, que foi a segunda atração da noite. O cantor, violeiro e repentista fez todo o público presente no principal polo do evento cair no samba, na Praça Cultural Mestre Dominguinhos. O repertório do artista contou com algumas músicas de seu novo álbum, intitulado “Baionada”, e algumas de suas canções já consagradas, misturando elementos do forró, baião, samba rural e maxixe, por exemplo.

O encontro de sambistas continuou com Belo Xis e Wellington do Pandeiro, que em seu show resgataram clássicos do ritmo e agitaram os garanhueses e turistas que se encontravam no polo. A baiana Mariene de Castro foi a penúltima a contagiar o público com o samba, não deixando ninguém de fora do ritmo. O público entoava as canções, acompanhando a cantora e compositora, que se destaca pelo maracatu e samba de roda. Em seu repertório estiveram músicas como Abraço Negro e algumas canções do grande Mestre Dominguinhos, em homenagem ao artista.

Encerrando a noite, o projeto Bendito Samba subiu ao palco, acompanhado das cantoras Mariana Aydar, Zezé Mota, Karynna Spinelli, Rita Benneditto e Roberta Nistra. O repertório do grupo foi uma releitura dos maiores nomes do samba brasileiro, como Paulinho da Viola, Noel Rosa, Zeca Pagodinho, Nelson Cavaquinho e Arlindo Cruz, entre outros artistas que são referência no ritmo. As intérpretes foram acompanhadas por uma banda de 12 músicos entre metais, instrumentos harmônicos e percussão.

Noite de grande público no Palco Pop

A noite dessa sexta-feira (25), no Palco Pop do FIG, que fica no Parque Euclides Dourado, foi de grande público. Além dos shows, também houve a visita da homenageada do evento, a escritora Luzilá Gonçalves. As apresentações tiveram início aproximadamente às 18h com a jovem cantora garanhuense Millena Raimer.

Logo após foi a vez da apresentação da Coutto Orchestra, que veio de Sergipe e se apresentou pela segunda vez no festival. No repertório, músicas do álbum Eletro FUN Farra, que misturam elementos eletrônicos com ritmos regionais. Já o cantor Silvério Pessoa trouxe para o Palco Pop um show que facilmente poderia ser apresentado no Palco do Forró. "Cabeça Feita" traz as canções marcantes de Jackson do Pandeiro. "Levar este trabalho para o Palco do Forró era o óbvio. O festival foi muito feliz em trazê-lo para o Palco Pop. Porque Jackson do Pandeiro é pop", declarou o cantor à imprensa.

E toda a expectativa da noite foi para a cantora paulista Tiê, que faz parte da nova geração da MPB. O público lotou o espaço do Palco Pop, e se espremeu nas grades para conferir o show. Com seu violão e banda, trouxe músicas do novo álbum "Esmeraldas" e também os hits já conhecidos por todo público, que cantou junto. 

Neste sábado, tem mais atrações no encerramento do Palco Pop no FIG 2015. Os shows começam às 18h00 com Gold Hits, logo depois é a vez do caruaruense Joanathan Richard, seguido pelos cantores Wado e Johnny Hooker.

Última noite no Palco Instrumental é marcada pela diversidade de ritmos

A última noite da 25ª edição do Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), no Palco Instrumental Pau Pombo, contou com uma diversidade de gêneros da música instrumental que animou o público presente, que permaneceu no Parque Ruber van der Linden até o último show.

O primeiro show da noite ficou por conta do músico garanhuense Cláudio Lins, que tocou temas clássicos do blues. Em seguida, os músicos Jehovah da Gaita, Renato Bandeira e Bráulio Araújo, do projeto 3D, tocaram diversos temas em bossa, samba, chorinho e frevo. O Frevoton, comandado pelo Maestro Spok, em parceria com Dj Dolores e o músico Yuri Queiroga, encerrou a noite de shows no Palco Instrumental Pau Pombo ao som de ritmos pernambucanos.

Para o garanhuense Paulo Duarte, ter um polo dedicado à música instrumental é um privilégio. “Para nós, ter um espaço como esse, no interior de Pernambuco, é maravilhoso.  Associar esse espaço à música de qualidade é, de fato, um privilégio de poucos. Por isso sempre digo que quem puder vir conhecer, venha”, comentou.

A presidente da Fundarpe, Márcia Souto, que prestigiou os shows no Palco Instrumental, fez uma avaliação sobre a 25ª edição do FIG. “Estamos encerrando essa edição do festival de inverno com um saldo positivo. Tivemos um público ainda maior que nos outros anos, de acordo com a polícia, e essa edição contou, também, com uma proposta diferenciada na área educacional com as oficinas e atividades nas escolas que teve a participação de alguns artistas que se apresentaram durante o evento. Para nós isso foi muito positivo”, comemora.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Mistura de ritmos marca oitava noite de shows do FIG 2015

A oitava noite da 25ª edição do Festival de Inverno de Garanhuns (FIG) foi iniciada pelo garanhuense Alexandre Revoredo. O músico, produtor musical, compositor e poeta, que já desenvolve seu trabalho solo desde 2007, conquistou o público ao transitar por várias vertentes musicais que passavam pelo pop, rock, samba e world music, no show intitulado como “Fuzamba”. Guitarra, teclado, sopros, acordeom, percussão, contrabaixo e bateria se misturaram, em harmonia, à proposta poética trabalhada em suas letras. Alexandre ainda trouxe ao palco alguns artistas pernambucanos que fizeram parte de seu show.

Marcando sua primeira vinda à Garanhuns, Pepeu Gomes foi a segunda atração dessa noite. O talento de Pepeu empolgou todo o público presente na Praça Cultural Mestre Dominguinhos, que não se conteve parado. O cantor, compositor e guitarrista incluiu em seu show uma singela homenagem a Chico Science, com a música A Cidade. “Eu, particularmente, era um grande amigo de Chico. Ele nos deixou uma obra maravilhosa. E por isso eu sempre canto aqui e também fora do Brasil em homenagem a ele, para que nunca nos esqueçamos dele e de seu grandioso trabalho”, comentou.

Em seguida foi a vez de DJ Dolores: Banda Sonora tomar conta do principal palco do FIG. Com uma carreira de mais de duas décadas, a banda trouxe um show bastante eclético, passeando pelo rock, eletrônica e outros ritmos que não deixou o público parar. A banda precedeu o show de Davi Moraes e Moraes Moreira, que foram os responsáveis pelo encerramento da programação da noite, levando o público ao delírio, com solos de guitarra. Em seu show, a dupla homenageou Dominguinhos e Luiz Gonzaga.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Muito forró esquentou a sétima noite do Festival de Inverno de Garanhuns

Nem mesmo a garoa fina que caiu durante boa parte da noite intimidou os forrozeiros que compareceram ao palco da Praça Cultural Mestre Dominguinhos nesta quarta-feira (22). A "noite do forró" do FIG foi especial, pois a data também marcou dois anos do falecimento do cantor e compositor Dominguinhos, que foi homenageado pelas bandas que se apresentaram.

Pontualmente às 21h o grupo Forró Pesado, que está completando 15 anos, subiu ao palco trazendo no repertório muitas músicas tradicionais do forró e principalmente do "Rei do Baião", Luiz Gonzaga, que estavam na boca do povo. Logo após, foi a vez do cantor Hebert Lucena, com um show que possui vários elementos culturais da nossa região, tais como o coco e a embolada, mistura que fez o público dançar.

A emoção tomou conta do palco quando o conjunto instrumental-vocal Quinteto Violado, que teve origem no Recife, nos anos 70, se apresentou. O grupo trouxe um repertório repleto de músicas do Mestre Dominguinhos com uma roupagem diferente. De acordo com Marcelo Melo, que é um dos fundadores do Quinteto, "a emoção neste momento é redobrada, pois tocar e cantar Dominguinhos sempre fez parte da história do Quinteto, desde a sua origem".

Às 00h35, o paraibano Flávio José subiu ao palco trazendo as principais canções da sua carreira, como "Tareco e Mariola" e "A Natureza das Coisas", letras que todo o público sabia cantar de cor. O show, sem dúvidas correspondeu à expectativa dos forrozeiros presentes, como o próprio cantor declarou à imprensa antes de se apresentar. "Eu estou muito feliz, e quero agradecer por lembrarem do meu nome pra vir aqui hoje e trazer alegria para essas pessoas que vieram nos ver”, disse.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Romantismo tomou conta da sexta noite do Festival de Inverno de Garanhuns

Termômetros marcando 14 graus e muita neblina foram atores coadjuvantes no palco principal na noite desta terça-feira (21), no 25º Festival de Inverno de Garanhuns.  Muito romantismo,  nostalgia e um bom vinho fizeram com que cada atração tivesse um encanto a mais. Vários casais puderam, ao embalo de antigas canções, reviver seus tempos de mocidade. 

Iveraldo de Souza Lima, conhecido como Leonardo Sullivan, foi o responsável pela abertura da noite. Cantor e compositor da música romântica brasileira, em coletiva com a imprensa, Leonardo se emocionou ao falar que há vinte anos não estava na programação do FIG e que, para ele, esse festival, juntamente com o de Campos do Jordão, são as melhores do país. Clássicos como “Memórias e Mãe”, levou o público emocionado a dividir a voz com o artista, que se despediu do palco com muitos aplausos. Não demorou muito para que Agnaldo Timóteo, segunda atração da noite, subisse ao palco para espantar o frio do grande público.

A talentosa e carismática Joanna encerrou com chave de ouro a noite dedicada ao amor, com grandes sucessos, fazendo com que todos fossem ao delírio cantando e dançando os melhores hits da compositora.  A passarela, que complementa o palco, se tornou pequena, para tanto brilho que Joanna liberou ao público.  "A música é algo maravilhoso que une pessoas, une vidas, une nações e me une a esse público maravilhoso", finalizou, emocionada, em coletiva a imprensa.

XI Virtuosi na Serra inicia programação em Garanhuns

Com um clima bastante ameno e trazendo à cidade grandes artistas da música clássica, Garanhuns ganha, neste período, um charme ainda mais especial. Hoje (21), a XI Virtuosi na Serra iniciou sua programação na 25ª edição do Festival de Inverno de Garanhuns (FIG). A Catedral de Santo Antônio, no centro da cidade, é o palco para as apresentações eruditas durante o FIG.  A abertura da programação, realizada às 21h, ficou sob a responsabilidade do acordeonista ucraniano Alexander Hrustevich. Os concertos trazidos pelo Virtuosi seguem até quinta-feira (23), sempre às 21h.

Essa é a segunda vez que Alexander se apresenta no Festival de Inverno de Garanhuns e apesar de não falar português, ele comenta que gosta do contato com o público. “Estou muito feliz em estar mais uma vez em Garanhuns. Sei que encontro aqui um público muito carismático. Isso é importante pra mim”, afirmou o artista, que é considerado um dos melhores acordeonistas do mundo. Nascido na Ucrânia, Alexander sempre é convidado para se apresentar em vários países, incluindo a Polônia, Áustria, Alemanha, Itália e Espanha.

Alexander, de 32 anos de idade, graduou-se na Academia Nacional de Música da Ucrânia. O acordeonista é vencedor de vários concursos internacionais como “Golden Acordeon” (New York), “Od baroka do Jazza” (Polônia), entre outros. Durante sua apresentação de hoje, o artista executou concertos para violino de Tchaikovsky, Bach, Rachmaninov, Vivaldi e outras peças de piano clássico e de repertório orquestral. Transmitindo um expressivo conjunto de sentimentos, por meio da música, o artista conseguiu encantar todo o público presente, que lotou a catedral. “Eu gosto muito de toda a programação de música clássica e esse artista é sensacional. O modo como ele se expressa ao tocar, e passa isso ao público, é fantástico”, comentou a garanhuense Evanise Ferreira, de 45 anos de idade.

Amanhã (22), o público poderá apreciar o recital de piano de Daria Kiseleva, vencedora do IV Concurso Internacional BNDES de Piano do Rio de Janeiro, em 2014. A russa tem participado de inúmeras competições e festivais internacionais. Encerrando a programação de música clássica no Festival de Inverno de Garanhuns, na sexta-feira (23), a Orquestra Jovem de Pernambuco se apresenta a partir das 21h, com a regência do maestro Rafael Garcia. Para o concerto, os solistas serão o violinista uruguaio Nicolas Giordano, o violoncelista búlgaro Stanimir Todorov e o violinista argentino Adrián Felizia.

terça-feira, 21 de julho de 2015

Punk rock marca a noite da segunda-feira na Praça Cultural Mestre Dominguinhos

A quinta noite de shows do 25º Festival de Inverno de Garanhuns (FIG) ficou marcada pelas batidas do punk rock e do rap, fazendo com que o frio e a preguiça se ofuscassem ao meio de uma praça repleta de pessoas. Ao som de clássicos de Belchior e outras melodias autorais, a banda Neander abriu as cortinas do Palco Cultural Mestre Dominguinhos. A banda, que este ano completa 21 anos de existência, é formada por cinco músicos e é original de Garanhuns. Em constante contato com o público, Leo, vocalista do Neander, entoou grandes sucessos como “Tempo perdido”, de Legião Urbana, e “Saia do meu caminho”, Belchior.

A banda Devotos, formada em 1988, compôs a grade da programação desta segunda-feira, sendo a segunda atração da noite, dedicada ao rock. O grupo, natural de Recife, tem como base, em suas canções, os problemas sociais vividos pela população.

A última atração foi o grupo brasileiro de rap Racionais MC’s, formado pelos mc’s Mano Brown, Edi Rock, Ice Blue e o dj KL Jay. Sendo considerado por muitos como o grupo de hip hop mais influente e relevante do Brasil, suas músicas visam demonstrar a preocupação da destruição da vida de jovens negros e pobres da periferia. Inicialmente, conhecidos apenas na capital paulista, conseguiram alcançar um grande sucesso após os álbuns “Raio X Brasil” e “Nada como um dia após o outro”.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Frio, grande público e show de Pitty marcam noite de domingo na Praça Mestre Dominguinhos

As baixas temperaturas e a suave neblina que cobria a Suíça pernambucana na noite de ontem (19), durante o 25º Festival de Inverno de Garanhuns, não foram motivos para intimidar um grande número de pessoas que vieram apreciar, de perto, uma noite composta por vários ritmos musicais. Não importa qual seja o estilo, seja música popular ou até mesmo o rock.  A quarta noite de shows fez com que milhares de pessoas se equiparem com botas, casacos, vinho e muito chocolate quente.

Irreverência, alegria e ritmos contagiantes marcaram a primeira atração da noite, a Orquestra Popular da Bomba do Hemetério.O grupo foi formado e idealizado pelo compositor Maestro Forró, em 2002, no bairro da Bomba do Hemetério. A maioria dos integrantes são moradores desse bairro, sendo grande parte ex-alunos do criador do grupo. A orquestra apresentou um repertório variado incluindo instrumental e músicas cantadas, sem esquecer do legítimo frevo.

Em seguida, a praça, que já estava cheia, foi agraciada com muita percussão, luz e pequenas apresentações culturais com o espetáculo de Lucas e Orquestra dos Prazeres. Ainda muito pequeno, na escola, Lucas conviveu com mestres da nossa cultura, como Zé Neguinho do Coco, Seu Biulino do maracatu Águia de Ouro e João Mateus, cirandeiro e Mateus de Cavalo Marinho. Cantaram e encantaram todos os fãs presentes.

A banda Mundo Livre S/A foi a responsável por manter todo o público alegre, sendo a terceira atração da noite. Banda formada em 1984, em Recife, já contou como integrante o músico Otto. A atração mais esperada da noite era a cantora baiana Pitty Leone, que voltou ao Festival de Inverno pela terceira vez e atraiu, novamente, grande público ao principal polo do evento. A praça foi tomada pelos ritmos eletrizantes da cantora que mesclou sucessos antigos e músicas mais recentes de sua carreira – incluindo canções autorais do CD Sete Vidas. Emocionada, a cantora deixou o palco após às 3h30min sob aplausos e disse, olhando para sua banda, com a mão no peito: "Foi bonito, num foi?".